Category Archives: Artigos

Transfiguração do Senhor (Mateus 17:1-13,Lucas 9:28-36)

A Transfiguração do Senhor é celebrada na Igreja oriental desde o século V, fixada em seu calendário solene como uma das grandes festas litúrgicas em honra de Nosso Senhor Jesus Cristo, e celebra-se em 06 de agosto. Essa data é celebrada com comemorações populares no ocidente, como Bom Jesus (com várias denominações), Santo Cristo, Santíssimo Salvador, Salvador do Mundo, e tantas outras invocações. Foi nessa data significativa que voltou para a casa do Pai, São Papa Paulo VI, A cerimônia de beatificação foi realizada em 19 de outubro de 2014, na Praça de São Pedro, presidida pelo Papa Francisco, com a presença do Papa Emérito Bento XVI

Cardeal Orani João Tempesta Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro (RJ)

A Infância de Cristo Segundo Tiago

O Proto-Evangelho de Tiago

Este texto é considerado apócrifo e não está no canôn da Igreja. Com a proximidade da Festa de São Joaquim e Santa Ana , pais de Maria é oportuno publicá-lo pois são protagonistas do mesmo.

 

 

 

 

São Tiago Apóstolo (O Maior)

“Por aquele mesmo tempo o rei Herodes estendeu as mãos sobre alguns da igreja, para os maltratar; e matou à espada Tiago, irmão de João.” Atos dos Apóstolos 12:2

 

 

 

Santa Maria Madalena

Lc. 8,2 diz-nos que, entre as mulheres que seguiam Jesus e o assistiam com seus bens, estava Maria Madalena, ou seja, uma mulher chamada Maria, que era originária de Migdal Nunayah, Tariquea em grego, uma pequena povoação junto ao lago da Galiléia, a 5,5 km ao norte de Tiberíades. Dela Jesus havia expulsado sete demônios (Lc. 8,2; Mc. 16,9), o que equivale dizer “todos os demônios”. A expressão pode ser entendida tanto como uma possessão diabólica quanto como uma doença do corpo ou do espírito.

Nossa Senhora do Carmo

Monte Carmelo é uma montanha na costa de Israel com vista para o Mar Mediterrâneo. O seu nome (Karmel) significa “jardim” ou “campo fértil. A grande cidade israelita de Haifa localiza-se parcialmente sobre o Monte Carmelo, além de algumas outras cidades menores, como Nesher e Tirat Hakarmel. Este se trata do local onde se deu o duelo espiritual entre o profeta Elias e os profetas de Baal. Foi no Monte Carmelo que Elias provou aos homens que o Deus de Israel era o verdadeiro Deus, e não Baal.

São Bento, abade

Bento, patriarca dos monges ocidentais, nasceu em Núrcia, no ano 480. Ainda muito jovem, seduzido e impelido pelo Espírito, abraçou um período de absoluta solidão numa gruta em Subiaco. A sua fama atraiu lhe discípulos. Organizou para eles a vida cenobítica, inicialmente em doze pequenos mosteiros à volta de Subiaco e, depois, no célebre cenóbio de Monte Cassino. Escreveu uma Regra que resume sabiamente a tradição monástica oriental, adaptando-a ao mundo latino. Esta escola de “serviço ao Senhor” é construída à volta da Palavra de Deus (Lectio divina), da Liturgia de louvor realizada em coro, e do trabalho em ambiente de fraternidade, de humilde e obediente serviço. S. Bento faleceu com 67 anos de idade, em Monte Cassino, no ano 547.

São Tomé, Apóstolo

São Tomé natural da Galileia, pobre pescador e um dos apóstolos que o Senhor escolheu para pregar o Evangelho, em todo o mundo.

Este pescador da Galileia chamado por Jesus Cristo, cujo nome se traduziu por Didymos, (em grego) em aramaico, gémeo. Ignora‐se, porém, de quem terá sido gémeo. Pode perguntar‐se se a referida incredulidade pertinaz não seria, até certo ponto, a tradução do seu nome Didymos que comporta a ideia de «duplo» e, consequentemente, de «duvidar» (lat.: dubitare; al.: zweifeln). Tomé e céptico são, de certo modo, palavras sinónimas. Sem dúvida que se espalhou tal associação: acreditar ou duvidar como Tomé. A Legenda Dourada dá‐nos os aspectos mais populares da novela da sua vida: a sua incredulidade e o seu apostolado na Índia. A sua incredulidade manifestou‐se em duas ocasiões: duvidou da Ressurreição de Cristo que, para o convencer convidou a que lhe metesse um dedo na chaga do lado. E, depois, duvidaria da Assunção da Virgem, que, como Elias arrebatado ao céu, enquanto subia lhe lançou o cinturão como prova.

São Pedro Apóstolo

El_Greco_-_Las_lágrimas_de_San_Pedro

Vemos duas etapas decisivas da sua vida: a chamada junto do Lago da Galileia e, depois, a profissão de fé: “Tu és Cristo, o Messias”. Uma confissão, dissemos, ainda insuficiente, inicial e contudo aberta. São Pedro coloca-se num caminho de seguimento. E assim, esta confissão inicial tem em si, como em gérmen, já a futura fé da Igreja. Hoje queremos considerar outros dois acontecimentos importantes na vida de Pedro: a multiplicação dos pães — ouvimos no trecho agora lido a pergunta do Senhor e a resposta de Pedro — e depois o Senhor que chama Pedro para ser pastor da Igreja universal.

São Paulo, Apóstolo

Nem a vida nem a morte podiam separar a Paulo do amor de Cristo. Por isso, dois mil anos depois do início de sua peregrinação terrena, a monumental obra apostólica do Apóstolo dos Gentios continua viva e produzindo abundantes frutos para a Igreja. A vocação é um dom concedido liberalmente por Deus. E, por vezes, compraz-se o Senhor em chamar alguém aparentemente contrário à missão para a qual Ele o destina, a fim de manifestar com maior fulgor o poder de Sua Graça e a gratuidade do Seu chamado. Nesses casos, apesar dos aparentes paradoxos e à revelia do próprio interessado, cujas aspirações parecem entrar em choque com os desígnios Divinos, o Senhor vai preparando os caminhos, servindo-se até dos próprios obstáculos para fazer cumprir sua Santa Vontade. É pequeno o espaço de um post para falar da gigantesca contribuição de São Paulo para o Cristianismo e a Igreja

São João Batista o Arauto do Messias

Não fez milagres, mas, por sua pregação e pelo exemplo de sua vida, atraía à conversão. Desde seu nascimento até depois de sua morte, foi um verdadeiro arauto do Messias. Muito nos falam os Evangelhos da pessoa ascética do Batista, com suas vestes evocativas dos antigos profetas de Israel e sua austeridade de vida. Chegaram os judeus a pensar que estavam diante do Messias esperado. Entretanto, a história deste varão tão singular, cuja pregação marca o fim do Antigo Testamento e dá início ao Novo, é desconhecida para muitos.