Anunciação do Senhor

A Solenidade da Anunciação do Senhor é uma das mais belas festividades Marianas. Com o anúncio da Encarnação do Filho de Deus à Virgem Maria, Deus entra em nosso mundo fazendo-se humano como nós. Assim, a entrada do Verbo Divino (Nosso Senhor Jesus Cristo) em nosso meio eleva a natureza humana a um grau de santidade jamais imaginado por alguém. Pelo “sim” de Maria manifesta-se a maior expressão do amor de DEUS por toda a humanidade.

Maria, o primeiro sacrário vivo da Eucaristia, recebeu dos cristãos o título de Nossa Senhora da Anunciação. Virgem Maria foi contemplada no Mistério da Encarnação como a escolhida para ser a Mãe de Deus. Diante do anúncio do anjo Gabriel, Ela se submete num ato de fé e de humildade. Aceitando a sua parte na missão salvífica, Maria Santíssima demonstra sua confiança no Senhor Deus fazendo-se Instrumento Divino nos acontecimentos que hão de vir. Pelo seu consentimento, Maria aceitou a dignidade e a honra da

Maternidade Divina, mas também, os sofrimentos e os sacrifícios que a ela estavam ligados.

Cabe ressaltar, na Anunciação, duas características da Virgem Maria que foram determinantes para a Encarnação do Verbo e para a Salvação da humanidade: sua fé e sua disponibilidade.

Por causa de sua fé, Maria, mesmo sem saber como acontecerão os fatos a partir daquele instante, aceita fazer a vontade de DEUS, incondicionalmente.

Como serva não tem mais direitos, por essa razão, se coloca numa atitude de total disponibilidade ao Seu Senhor.

Maria Santíssima compreendia a grandeza de Deus e o nosso “nada”. Devido à sua humildade, assustou-se ao ouvir os louvores do Anjo: “Ave, cheia de graça.”

São Tomás de Vilanova (1488-1555) exclama: “Ó poderosa, ó eficaz, ó augustíssima palavra! Com um “Fiat” (faça-se) Deus criou a luz, o céu, a terra, mas com este “Fiat” de Maria um Deus se tornou homem como nós”.

Pela ação do Espírito Santo, formou-se, no seio da Virgem Imaculada, o corpo do Filho de DEUS. Essa foi a maior de todas as maravilhas: na Pessoa de Nosso Senhor Jesus Cristo (verdadeiro Deus e verdadeiro Homem), se unemas naturezas divina e humana.

De acordo com o Catecismo da Igreja Católica:

  1. A Anunciação a Maria inaugura a «plenitude dos tempos» (Gl 4, 4), isto é, o cumprimento das promessas e dos preparativos. Maria é convidada a conceber Aquele em quem habitará «corporalmente toda a plenitude da

Divindade» (Cl 2, 9). A resposta divina ao seu «como será isto, se Eu não conheço homem?» (Lc 1, 34) é dada pelo poder do Espírito: «O Espírito Santo virá sobre ti» (Lc 1, 35).

  1. Na descendência de Eva, Deus escolheu a Virgem Maria para ser a Mãe do seu Filho. «Cheia de graça», ela é «o mais excelso fruto da Redenção»

(182). Desde o primeiro instante da sua conceição, ela foi totalmente preservada imune da mancha do pecado original, e permaneceu pura de todo o pecado pessoal ao longo da vida.

  1. Maria é verdadeiramente «Mãe de Deus», pois é a Mãe do Filho eterno de Deus feito homem que, Ele próprio, é Deus.

De acordo com os Santos:

Bem-aventurado João Paulo II: “No momento da Anunciação, respondendo com o seu «fiat», Maria concebeu um homem que era Filho de Deus, consubstancial ao Pai. Portanto, é verdadeiramente a Mãe de Deus, uma vez que a maternidade diz respeito à pessoa inteira, e não apenas ao corpo, nem tampouco apenas à ‘natureza’ humana. Deste modo o nome ‘Theotókos’ — Mãe de Deus — tornou-se o nome próprio da união com Deus, concedido à

Virgem Maria. ”

Santo Agostinho: “Maria é Mãe de Deus, feita pela mão de Deus”.

São Jerônimo: “Maria é verdadeiramente Mãe de Deus”.

São Tiago: “Maria é Santíssima, a Imaculada, a gloriosíssima Mãe de Deus.”

A Virgem Maria, a mais humilde e gloriosa de todas as criaturas de Deus, por meio do seu “sim” tornou-se Co Redentora da humanidade.

Por meio da Encarnação de Nosso Senhor Jesus Cristo, no sei da Virgem

Maria, a proclamamos Mãe de Deus. Então, afirmamos que o Reino de Deus já está no meio de nós, pois o dogma da maternidade divina assevera que o próprio Deus, na pessoa de Jesus Cristo, entrou na história humana.

Peçamos a Nossa Senhora, Mãe de DEUS e nossa Mãe, a graça da fé e da disponibilidade para as coisas de DEUS.

Evangelho de São Lucas (Lucas 1:26-38):

“              26. Quando Isabel estava no sexto mês, o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galileia, chamada Nazaré, 27. a uma virgem prometida em casamento a um homem de nome José, da casa de Davi. A virgem se chamava Maria. 28. O anjo entrou onde ela estava e disse: “Alegra-te, cheia de graça! O Senhor está contigo”. 29. Ela perturbou-se com estas palavras e começou a pensar qual seria o significado da saudação. 30. O anjo, então, disse: “Não tenhas medo, Maria! Encontraste graça junto a Deus. 31. Conceberás e darás à luz um filho, e lhe porás o nome de Jesus. 32. Ele será grande; será chamado Filho do Altíssimo, e o Senhor Deus lhe dará o trono de Davi, seu pai. 33. Ele reinará para sempre sobre a descendência de Jacó, e o seu reino não terá fim”. 34. Maria, então, perguntou ao anjo: “Como acontecerá isso, se eu não conheço homem? ” 35. O anjo respondeu: “O Espírito Santo descerá sobre ti, e o poder do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra. Por isso, aquele que vai nascer será chamado santo, Filho de Deus. 36. Também Isabel, tua parenta, concebeu um filho na sua velhice. Este já é o sexto mês daquela que era chamada estéril, 37. pois para Deus nada é impossível”. 38. Maria disse: “Eis aqui a serva do Senhor! Faça-se em mim segundo a tua palavra”. E o anjo retirou-se.

Lucas 1:26-38.

Santo Agostinho e a Anunciação

A virgindade de Maria é mais agradável e bem amável porque Cristo não se afastou, uma vez concebida a possível violação do varão, para preservá-la, mas, mesmo antes de ser concebido, escolheu nascer dela quando ela já tinha consagrado Deus. Isto é indicado pelas palavras Maria disse ao anjo que anunciou sua concepção: “Como pode ser isso, já que eu não tenho relações com um homem? Certamente ele não tinha dito essas palavras, se não antes tinha consagrado sua virgindade a Deus. Mas, como os costumes dos israelitas rejeitaram isso, ele era casado com um homem justo, que era muito longe a levaria violentamente guardando os seus votos contra a violência. E se ele tivesse dito: Como pode ser isso, sem acrescentar: E se eu não tenho relações com um homem? Ser igualmente claro, na verdade, não ia perguntar como uma mulher tinha dado à luz a um filho prometido se ela tivesse casado com a intenção de usar o casamento.

 

Ela também poderia ter sido condenada a permanecer virgem para o Filho de Deus levá-lo a forma de servo por um milagre apropriado. Mas ela consagrado sua virgindade a Deus, mesmo antes de eu sabia que tinha de conceber, para servir de exemplo para futuras santas virgens e considera-se não só permanecer virgem que teria merecido conceber sem a relação carnal. Então imitou a vida celeste no corpo mortal por voto sem serem obrigadas, ele fez amor por opção, não obrigação de servidão. Portanto, Cristo, nascido de uma virgem preferiu aprovar santa virgindade impor uma virgem, mesmo antes de saber que nasceria dela, já havia determinado a permanecer virgem. E queria que eu fosse livre virgindade em mulheres em que ele tomou a forma de servo.

Santo Agostinho, A Santa Virgindade 4,4.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *