Oficina de Oração – Outubro 2017

INTRODUÇÃO

Os judeus consideravam a videira como a mais nobre das plantas, também a videira representava tudo quanto é poderoso e frutífero. Israel era representado por uma videira plantada por Deus na terra prometida. Eles julgavam que estariam salvos enquanto estivessem ligados a Israel. Porém Jesus disse: “Eu sou a Videira verdadeira, e Meu Pai é o Agricultor” (João 15:1). Nos montes da Palestina Deus plantou a Videira que é Jesus. Muitas pessoas foram atraídas a Jesus e reconheceram nele a origem divina. Porém, para os guias religiosos da época, Jesus parecia uma raiz em terra seca. Não deram importância a Jesus. Humilharam, esmagaram e pisaram a Videira.

A figura da videira é um símbolo perfeito. Quando Jesus disse: “Eu Sou a Videira e vocês são os ramos”, Ele quis dizer que a ligação dos ramos com a videira, representa a relação que devemos ter com a pessoa de Jesus. Quando estamos ligados à Videira, recebemos forças como que um renovo, que é enxertado na videira viva, e fibra por fibra, veia por veia, imerge no tronco.

EU SOU A VIDEIRA VERDADEIRA Agostinho convida-nos a contemplar a Cristo, a Videira verdadeira (Jo.15,1), de quem todo batizado é membro. Todo fiel faz parte de um organismo vivo, que é a Igreja. E neste organismo somos chamados a dar frutos. Para dar fruto, porém, é necessária a humildade para reconhecer que tudo o nosso vigor espiritual nao é nosso, mas procede de Deus.

”O senhor diz que é a videira e que seus discípulos são os ramos, e o diz, na medida em que é cabeça da Igreja, e nós, seus membros, o Mediador entre Deus e os homens, o homem Jesus Cristo”.

Cristo é a videira verdadeira, porque há outras vides que são falsas, já que não dão frutos a Deus, mas uvas amargas. É o caso do povo do Antigo Testamento.

 

“Como é, então, que te tornaste amargura videira estranha? Pois, como é verdadeira a videira da qual se esperava que produzisse uva e que, em vez disso, produziu espinhos? ”

 

A TRINDADE AGRICULTORA

Jesus nos recorda que ele é a videira e o seu Pai é o agricultor. Agostinho convida-nos a meditar que quem cultiva interiormente e faz crescer é a Trindade toda.

É o Deus Trindade que faz crescer o fiel, que o limpa e poda, tornando-o capaz de dar frutos. Toda a nossa vida material e espiritual está nas mãos de Deus, e exige que nós oremos, para que a Trindade continue agindo em nosso interior, com a nossa colaboração.

 

“Deus fez crescer, não por meio deles, mas por si mesmo. Isso excede humana pequenez, excede a angélica sublimidade e absolutamente e não cabe senão à Trindade agricultora.

 

A PODA PURIFICA OS RAMOS

Uma das tarefas do agricultor é podar os ramos. Essa poda não se leva a cabo em todos os ramos, mas naqueles que dão Frutos. Deus, por vezes, pode parecer-nos cruel em seus próprios desígnios, nas coisas que procedem da sua vontade ou porque aconteçam em nossas vidas coisas desagradáveis. Agostinho reconhece que a nossa poda é motivo de crescimento.

 

“Estás alegre, reconhece o Pai que te acaricia; estás atribulado, reconhece o Pai que te corrige. Quer acaricie, quer corrija, ele instruí aquele para quem prepara a herança”.

O texto dá-nos a pauta interpretativa para ler todos os acontecimentos duros e difíceis, e os momentos de poda e purificação que Deus nos envia. Não se trata de um castigo, e sim de um aliciante, de um desafio, pois Deus poda os ramos que deram frutos. Assim o homem não fica satisfeito com o que fez, mas continua trabalhando para dar mais frutos.

“Todo aquele que dá fruto o Agricultor limpa, para que produza mais fruto.

Dá fruto porque está limpo, e ainda seja mais purificado”.

ELEMENTOS QUE PURIFICAM

Para Agostinho os elementos que nos purificam não são somente as dificuldades e tribulações. O santo de Hipona explica que um elemento purificador é a Palavra de Deus, referindo às palavras evangélicas: “Vós já estais limpos por causa da palavra que eu vos falei” (Jo. 15,3).

 Entretanto as palavras não exercem uma ação mágica, mas necessitam da fé. Que o fiel se deixe interpelar pela palavra e o leve a realizar a conversão.

“Nesta própria palavra, uma coisa é o som transitório, outra, a eficácia permanente. < É essa a palavra de fé que pregamos>”.

 

A Palavra de Deus que é o próprio Cristo deve crescer, diminuindo o próprio ego, o próprio homem velho, com sua própria forma de ver as coisas e de encarar a realidade.

Esse crescer espiritualmente, São Paulo o indica dizendo: “Ter o pensamento de Cristo”. Santo Agostinho, de maneira genial, resume-o num lapidar aforismo: 11Deficiunt vozes, crescente Cristo”.

À medida que vai crescendo, no interior do homem, a presença de Cristo, sua própria maneira de agir, de pensar e amar, e que a mesma ação de Deus vai podando o interior da pessoa, decrescem os arrazoados desta, as suas inclinações e caprichos, elementos que poderiam ser o plural vozes.

 

O QUE PODAR EM NÓS

O trabalho do Agricultor é meticuloso: limpa, corta, tira os excessos, propiciando as folhas e os frutos. Porém, dar frutos não é uma somatória de eventos, experiências e informações. É um longo processo de jardinagem, onde o Agricultor experiente trabalha, até ver brotar o fruto.

A poda parece uma mutilação, uma violência, uma agressão. O processo é doloroso. A planta fica feia, sangra. Porém, esse é processo para eliminar os parasitas, os fungos.

O que precisamos podar? Os parasitas da atualidade são letais e nocivos. Uma das coisas que precisamos podar é a ambição desmedida. A busca alucinada por poder, status, segurança e estabilidade. Estamos como prisioneiros de um velho pecado que surge hoje com cara nova: a ambição.

Outra coisa que necessitamos podar é a ingratidão. Ela nos torna pessoas insatisfeitas. Nunca temos o suficiente, sempre há alguma coisa em falta.

Perdemos a capacidade de ver Deus agindo nas pequenas coisas. E, às vezes, por isso, perdemos a capacidade de confiar, porque vivemos na masmorra da autossuficiência.

Também precisamos podar a apatia ou acomodação, que é a fonte da anemia espiritual. A acomodação nos torna displicentes e descuidados. Ela é como o mato que cresce ao pé da videira, e não possibilita o fluxo da vida, o crescimento saudável.

EXERCÍCIO DE ORAÇÃO

Exercício de imaginação. Texto: Jo. 15, 1-9

1 Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o viticultor.

2 Toda vara em mim que não dá fruto, ele a corta; e toda vara que dá fruto, ele a limpa, para que dê mais fruto.

3 Vós já estais limpos pela palavra que vos tenho falado.

4 Permanecei em mim, e eu permanecerei em vós; como a vara de si mesma não pode dar fruto, se não permanecer na videira, assim também vós, se não permanecerdes em mim.

5 Eu sou a videira; vós sois as varas. Quem permanece em mim e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer.

6 Quem não permanece em mim é lançado fora, como a vara, e seca; tais varas são recolhidas, lançadas no fogo e queimadas.

7 Se vós permanecerdes em mim, e as minhas palavras permanecerem em vós, pedi o que quiserdes, e vos será feito.

 8 Nisto é glorificado meu Pai, que deis muito fruto; e assim sereis meus discípulos. 9 Como o Pai me amou, assim também eu vos amei; permanecei no meu amor.

PISTAS PARA A MEDITAÇÃO

– Imagina uma vinha, as videiras, as folhas, as uvas.

– Imagina o trabalho do agricultor para que a videira dê seus frutos.

– Medita que Jesus é a videira e nós os ramos.

– Os ramos se estão separados do tronco nunca darão frutos.

– Medita nas palavras de Jesus: Eu sou a Videira, vocês os ramos.

– Quando nós somos ramos unidos à videira?

– Quando nós somos ramos separados da videira?

– Medita que se não há poda, não há frutos.

– Acostumas ver a Deus nas pequenas coisas?

– A purificação {poda) que Deus faz em ti é dolorosa?

– Por que achas que é necessária a poda.

– Que defeitos ou vícios devemos podar em nossa vida?

– Você é uma pessoa ambiciosa?

– Você é uma pessoa ingrata?

-Você é uma pessoa acomodada?

CONCLUINDO A ORAÇÃO

– Os que desejarem, podem fazer uma breve oração em voz alta.

– Os que desejaram, podem elevar a Deus uma breve jaculatória.

BÊNÇÃO E DESPEDIDA

– Reza-se: Orando com Santo Agostinho.

– Formando um círculo, de mãos dadas, reza-se o PAI-NOSSO.

– O sacerdote dá a bênção.

 

ORANDO COM SANTO AGOSTINHO

Nós vos bendizemos, Deus nosso,

porque nossa terra produzia fruto,

e a melhor das colheitas;

pois Cristo não é só a Videira,

de que somos parte,

mas além disso,

meu sangue é vinho novo do Reino.

Somos vossa vinha, Senhor,

e o povo que amais;

e graças a Jesus podemos

ter vida em nós e produzir fruto,

se permanecemos unidos a ele.

Deus de misericórdia,

vinde e visitai a vossa vinha,

a videira que a vossa mão plantou

e cujo rebento firmaste.

Purificai-nos profundamente,

com a poda do vosso espírito,

restaurai-nos, Senhor,

brilhe sobre nós a vossa face

e seremos salvos, Amém

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *