Unir corações para dar Graças a Deus

Na carta para o encerramento do Ano da Santidade, o Pe. Miguel Miró chama a “reafirmar a identidade carismática, a espiritualidade e o serviço à Igreja” como resultado deste ano e responder às necessidades da Ordem

 

 

O Prior Geral da Ordem dos Agostinianos Recoletos, Pe. Miguel Miró, convidou toda a família agostiniana recoleta para se juntar aos corações e agradecer a Deus pelos frutos do Ano da Santidade Agostiniano Recoleto que encerrará no dia 12 de novembro. “Junte-se a nossas vozes e nossos corações para dar graças a Deus”, diz a carta que foi enviada às comunidades por ocasião do encerramento do ano dos santos da Ordem.

 

No documento, o General dos Agostinianos Recoletos fala, desde o prisma da santificação diária e seu próprio carisma, do processo de revitalização e unificação, bem como das novas propostas e ações que já foram lançadas da Cúria Geral.

 

Os doentes e os jovens, exemplos de santidade

O Ir. Miguel Miró começa sua carta afirmando que o Ano de Santidade que agora fecha é uma “benção” para toda a família agostiniana recoleta. Como exemplo desta santidade, ele começa dando como exemplo os doentes, os jovens que se entregam a Deus, aqueles que testemunham sua fé, a fraternidade simples e contemplativa, entre outros.

 

“Irmãos doentes falam-nos de santidade, que contemplam a cruz com amor; jovens que querem dar suas vidas a Cristo; aqueles que não se permitem superar o desânimo e transmitir a esperança; aqueles que escutam a Palavra e sem medo testificam de sua fé; aqueles que são humanos e recebem todos com simplicidade, aqueles que encorajam o diálogo e o perdão; tantos homens e mulheres religiosos que, dia após dia, oram e trabalham com amor e alegria. As irmãs contemplativas nos falam de santidade, que com a oração fazem nossa missão frutífera “, diz ele.

 

Lembre-se que o Ano da Santidade foi convocado com o desejo de “reavivar o chamado à santidade”. Portanto, o Prior General envia uma mensagem clara: “Junte-se a nossas vozes e nossos corações para dar graças a Deus”. Cada frade convida-nos a colocar-nos “com sinceridade diante do Senhor para ver com humildade como recebemos os seus dons”.

 

Nesta linha, ele afirma que o Espírito Santo ajudou a “redescobrir o carisma agostiniano recoleto como um presente”. “O Espírito desperta em nossos corações o desejo de viver, amar e anunciar o Reino de Deus”, diz ele.

 

“Não podemos revitalizar a Ordem se não nos mudarmos”

Em sua carta, o Pe. Miguel Miró também se refere ao processo de revitalização. Na linha da santidade, ele afirma que “a revitalização ocorrerá enquanto vivermos o carisma recebido e respondendo com santidade e criatividade ao chamado do Senhor”. Ele continua com uma mensagem direta: “Não podemos revitalizar a Ordem se não nos mudarmos, e se não abrirmos nossos corações ao Espírito de Deus e às necessidades dos outros”.

 

Do mesmo modo, o General da Ordem também trata em sua carta com as novas propostas, algumas delas já em andamento. Ele começa dizendo que o carisma agostiniano recoleto “é um presente de Deus para a Igreja”. Especificamente, a vocação para a qual o Agostiniano Recoleto é chamado é “viver em fraternidade, realizar a missão da Ordem”.

 

Por todas estas razões, como fruto do Ano da Santidade, o Pe. Miguel pede “reafirmar a identidade carismática, a espiritualidade e o serviço à Igreja”. É necessário, diz ele, “discernir novos caminhos que despertam esperança”.

 

Um exemplo dessa revitalização e reafirmação do carisma, o Prior Geral cita o programa ao longo da vida de aprendizagem, a equipe de revitalização, espiritualidade Centros Agustino Recoleta (CEAR), ARCORES criando e muitas outras ações que estão em execução a partir de Secretarias diferentes.

 

Plenária indulgência no final do Ano da Santidade

O encerramento do Ano da Santidade ocorrerá no dia 13 de novembro, a festa de todos os santos da Ordem. A Santa Sé permitiu avançar a festa até 12 de novembro, domingo. Para o fazer, o Prior General anuncia em sua carta que pode ser obtida uma indulgência plenária.

 

Para o encerramento, o Pe. Miguel Miró pede aos religiosos que, de seus ministérios, “exortem todos os fiéis à santidade e lhes propõem o exemplo dos irmãos que a Igreja reconheceu como santos ou veneráveis”. Também nas escolas convida-se a tomar algumas medidas para dar a conhecer os santos agostinianos recoletos.

ORAÇÃO DO ANO DA SANTIDADE

Pai Santo,

toda a nossa esperança está em tua grande misericórdia.

Agradecemos a ti e bendizemos teu nome.

Que teu Espírito

abra nosso coração a conversão;

uma conversão que nos una a Cristo Jesus,

que transforme nosso modo de pensar e de viver.

Concede-nos a humildade e disponibilidade para seguir Jesus.

que ele plenifique nossa vida de esperança,

e nos torne repletos de amor a ti.

Infunde-nos, Pai, teu Espírito

para que respondamos com alegria

ao teu chamado à santidade.

Amém

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *